Em Montes Claros e Bocaiúva, diálogo e lutas pela saúde, educação e pela terra!

Em Montes Claros, a última sexta-feira foi de reuniões para analisar e defender pontos chaves da vida: saúde e educação. Pela manhã, o encontro foi com o provedor da Santa Casa de Montes Claros.

À tarde, reunião com professores e alunos da Unimontes, discutindo a importância do PIBID, programa que investe na formação do estudante que caminha para a licenciatura, promovendo a aproximação do aluno da dinâmica escolar em todos os seus aspectos. Porém, o programa corre risco de ser extinto.

Audiências na Câmara e no Senado discutirão a continuidade do PIBID. Professores e alunos pedem a prorrogação do programa. O deputado se comprometeu a lutar junto deles pela continuidade.

23561841_1613136878750781_8394057574498467034_n 23658656_1613136955417440_7785993556007673740_n 23622362_1613136888750780_5879141911442745102_n

 

No final da sexta-feira, Patrus esteve no seminário sobre a questão hídrica no Norte de Minas, desta vez na Unimontes. Depois, teve um grato encontro com seus apoiadores de Montes Claros.

No sábado, o dia começou com visita à Prefeita de Bocaiúva, Marisa, para discutir temas de interesse da população de Bocaiúva e região – como a efetiva implementação da Escola Técnica e a questão da água e das barragens que alimentam a cidade.

23561535_1613738378690631_6037296679407712633_n 23621615_1613738452023957_6686820664134058211_n

Na tarde sábado, o deputado Patrus se encontrou com as comunidades do Cedro/Oncinha/ Santa Engrácia em Bocaiuva, novamente junto de Leninha do Centro de Agricultura Alternativa.

Na reunião, discutiram soluções para a atual realidade do norte, refletindo sobre a crise hídrica, agricultura familiar e o desenvolvimento integrado do Norte.

23658338_1613967938667675_9012672218931937081_n 23621278_1613969342000868_5949093992571731701_n

E o fim de semana ainda teve encontro com lideranças no Sindicato de Trabalhadores Rurais de Bocaiúva do Sul.

Ânimo para pensar, ânimo para lutarmos juntos!

23658684_1614901118574357_7833656882338686280_n 23658402_1614901181907684_7349711744185413821_n

Estão vendendo nossa água

Na UFMG de Montes Claros, o deputado Patrus Ananias faz um alerta: “O processo de entrega dos recursos hídricos do Brasil ao capital estrangeiro já está em negociação.

Patrus participa do seminário com o tema “A Crise Hídrica no Norte de Minas” num momento em que a situação da falta de água na região é assustadora, exigindo adesão da população a medidas de contenção. No período de estiagem o esforço é ainda maior, e o fornecimento é restrito e escalonado.

23621692_1612140158850453_1654541158736881512_n 23659164_1612140252183777_1819203308036757251_n

A IMPRENSA E O ÓDIO CRIMINOSO: uma polarização arquitetada

por Patrus Ananias

Nos últimos anos, temos acompanhado no Brasil duas grandes ações bastante explícitas: o incentivo à polarização política/social e a guerra midiática e jurídica contra o presidente Lula. Tais ações se confundem por diversas vezes, gerando efeitos ainda mais perversos do que o esperado. No último fim de semana, chegaram ao ponto de cometer um crime nas páginas de uma revista semanal – o artigo “Lula deve morrer” tem em seu título uma incitação ao crime, artigo 286 do Código Penal Brasileiro. Seu autor e a revista na qual foi publicado serão devidamente processados pelo ato criminoso declarado.

Desde os tempos da ditadura, quando lutávamos pela liberdade de expressão e de imprensa, sabíamos que essa luta nem sempre era acompanhada pelos próprios veículos da chamada “imprensa tradicional”, os quais muitas vezes tinham seus interesses alinhados com os ditadores no poder. Mais uma vez, a imprensa demonstra nesse episódio de que lado está e de que forma se comporta.

A exploração da polarização na sociedade brasileira e a guerra aberta contra Lula chegaram ao nível de permitir uma incitação ao crime estampada nas páginas de uma revista semanal. Ao longo deste processo, a fragilização da sociedade vêm permitindo que roubos de direitos e do patrimônio brasileiro aconteçam semanalmente.

Somente com a reunião e com a coragem das pessoas de boa vontade, dos que acreditam em um projeto de desigualdade e progresso para o Brasil, podemos nos levantar contra a destruição social que se espalha e que toma inclusive a forma de uma ameaça criminosa contra um ex-presidente.

Deputado Patrus no projeto “Pensando o Brasil” da FUMEC

Deputado Patrus no projeto “Pensando o Brasil”, da Fumec: ” Esse é o ponto que sempre me aparece na consciência. Como podemos fazer juntos do Brasil a pátria que nós queremos, sonhamos e merecemos?

Todos somos políticos, no bom sentido da palavra. Todos somos políticos porque vivemos em sociedade, precisamos aprender a fazer juntos a vida e o bem comum.

23213275_1602693286461807_942687965879428657_o

O que nós temos de bom é conquista do nosso povo, muitas conquistas do nosso povo pobre, mesmo com todas as adversidades na nossa história. A violência contra os indígenas, a escravidão, o preconceito, são cicatrizes na nossa formação. Não podemos esquecer, nem negar.”

23231565_1602693229795146_7130173730079865896_n

NESTE MÊS, FRENTE DEFENDE SOBERANIA EM MAIS TRÊS ESTADOS

A Frente Parlamentar Mista em Defesa da Soberania Nacional será lançada em mais três Estados neste mês: Ceará, Santa Catarina e São Paulo.

No Ceará, o ato de lançamento está marcado para as 14 horas do dia 10, na Assembleia Legislativa, em Fortaleza.

Em Santa Catarina a Frente será lançada no dia 13, também na Assembleia Legislativa, em Florianópolis.

Em São Paulo, o ato está marcado para as 18 horas do dia 23, no auditório da Faculdade de Direito, no Largo de São Francisco.

Proposta pelo deputado Patrus Ananias (PT-MG) e criada em junho no Congresso Nacional, a Frente ja foi lançada nos estados de Minas Gerais e Rio de Janeiro.

Finados, momento de humildade e pensar a finitude

Neste dia de Finados, o deputado Patrus convida a abrirmos nossas mentes e corações para lembrarmos daquilo que nossos mortos, nossos antepassados nos deixaram.

O dia de hoje é também para refletir sobre a finitude e a importância da humildade diante da brevidade da vida.

ARTIGO: Resistência e Construção

por Patrus Ananias

O governo golpista está impondo ao Brasil a agenda do desmonte: desmonte dos direitos e das conquistas sociais, desmonte da soberania nacional.

Nesse contexto, os golpistas destruíram o Ministério do Desenvolvimento Agrário. Estão arrasando, como reafirma a proposta orçamentária de 2018, com as principais políticas e os principais programas de apoio à agricultura familiar na perspectiva da agroecologia, da agroindústria e do cooperativismo.

Acabaram com a reforma agrária. Criminalizam os movimentos sociais e estimulam a violência no campo. Ameaçam tomar as terras de indígenas e quilombolas. Regularizaram a grilagem de terras. Editaram e, provisoriamente barrados pela Justiça, mantém uma portaria que, a pretexto de aprimorar o Estado, favorece o restabelecimento da escravidão. E se preparam para, a qualquer momento, aprovar no Congresso a venda de terras para estrangeiros sem qualquer limite.

Diante disso, o nosso primeiro compromisso na Secretaria Setorial Nacional Agrária do Partido dos Trabalhadores é resistirmos, do modo mais intenso e criativo possível, às nefastas operações do governo golpista visivelmente submisso aos interesses dos grandes grupos econômicos transnacionais, do capital financeiro e de seus históricos serviçais no Brasil.

Cabe também ao coletivo agrário do PT, para o qual fomos eleitos com 20 companheiras e companheiros em 22 de outubro, despertar novamente na sociedade a discussão sobre a reforma agrária e sobre a importância social e ambiental da agricultura familiar para o desenvolvimento regional.

O debate sobre a reforma agrária está vinculado à efetiva aplicação dos princípios e diretrizes constitucionais que determinam a função social da propriedade e das riquezas. À função social acrescem as responsabilidades ambientais e o compromisso com o bem comum. A reforma agrária guarda, assim, vínculos profundos com as reformas urbana e tributária.

Nesta perspectiva a Secretaria Agrária, preservando a sua identidade, buscará ações integradas com outras secretarias – como as do Meio Ambiente e Desenvolvimento, de Mulheres, da Juventude, da Educação, do Combate ao Racismo -, com as instâncias partidárias e com a Fundação Perseu Abramo.

Como fizemos no Ministério do Desenvolvimento Agrário em encontros que chamamos de Diálogos da Terra, buscaremos conversar e formar parcerias com as entidades e movimentos sociais do campo e, em sintonia com eles, alargar as nossas reflexões com os movimentos sociais das cidades.

Nossa agenda na Secretaria Agrária, portanto, é de resistência aos golpistas e à sanha devastadora de direitos, sobretudo, das brasileiras e dos brasileiros pobres. É também uma agenda de construção de mais direitos e de novas conquistas. E é pra já.

O avanço das lutas sociais no Brasil passa, a nosso ver, pelo desenvolvimento regional ou territorial e pela ampliação dos espaços da democracia participativa para que as pessoas – especialmente as pessoas pobres e as classes trabalhadoras -, a classe média assalariada, os empreendedores locais ou regionais, possam exercer os seus direitos e deveres da nacionalidade.

(original em http://www.pt.org.br/patrus-ananias-resistencia-e-construcao/)