A alegria do Carnaval de Rua toma conta de BH novamente!

É preciso saudar uma vez mais esse Carnaval de Rua que já toma Belo Horizonte!

Essa injeção de ânimo, de povo na rua, de alegria, de espaço compartilhado, de música e festa.

E saudar é relembrar, ano a ano, o ânimo e o trabalho de músicos e foliões que se estende por tantos meses antes dos dias oficiais da festa.

Vocês construíram um dos maiores carnavais do Brasil, um dos mais belos carnavais do nosso país. Salve o trabalho intenso que sustenta a alegria que toma conta das ruas de BH!

Neste, que deve ser o maior carnaval da querida capital de Minas, que o respeito, a amizade e a alegria sejam os principais adjetivos a qualquer hora, em qualquer lugar da cidade. A festa popular mostra toda sua força na habilidade de conviver com respeito e união.

E aos que descansam, que sejam dias proveitosos – de silêncio, de calma, de respiro e de outras alegrias.

Para os muitos que festejam e para os tantos que descansam, um ótimo Carnaval!

http://www.carnavaldebelohorizonte.com.br

ENTREVISTA COMPLETA DO DEPUTADO PATRUS AO PROGRAMA CAFÉ COM POLÍTICA, DA RÁDIO SUPER NOTÍCIA

 ”O PT não tem plano B nem plano C: nosso candidato é Lula”
 
“Vivemos um estado de exceção plenamente configurado”
 
“O orçamento federal para 2018 é assustador: sumiu o dinheiro para programas de apoio aos pobres”
Super Notícia / Rodrigo Freitas – O senhor concorda com a estratégia do Partido dos Trabalhadores de continuar insistindo com a candidatura do ex-presidente Lula, mesmo que estejam se tornando mais remotas as chances de que ele possa ser candidato?
Patrus Ananias – Em recente reunião realizada em Brasília com a direção do partido e as bancadas na Câmara e no Senado nós concordamos em que o PT não tem plano B nem plano C: nosso candidato à Presidência da República é o presidente Lula, seguramente a maior liderança política do país, uma das maiores lideranças da história do Brasil, a maior liderança popular do Brasil. Lula realizou um governo histórico – e eu tenho muito orgulho de ter sido ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome no Governo Lula, quando implantamos as políticas públicas que mudaram o país. O Brasil saiu do Mapa da Fome; nós não tivemos mais as multidões de retirantes da seca brava no Nordeste e da minha região, o Norte de Minas. Isso aconteceu por conta das políticas públicas sociais que implantamos no Brasil: o programa Bolsa Família; as políticas vigorosas de apoio à agricultura familiar; a consolidação do Benefício da Prestação Continuada (BPC) que o atual governo quer retirar da previdência social; o programa Luz para Todos que tornou o Brasil um país iluminado…Por conta de tudo isso nós vivemos um período de grandes conquistas para o Brasil. Hoje nós estamos vendo que, de um lado, querem negar e desqualificar tudo o que realizamos a favor dos pobres, das classes trabalhadoras e também das classes médias, dos pequenos e médios empresários; ao mesmo tempo querem condenar o presidente Lula a partir de uma teoria – a chamada teoria do domínio do fato. Não há nenhuma prova contra o presidente Lula, mas querem condená-lo, a partir de uma presunção equivocada, dizendo que ele tinha conhecimento de tudo o que aconteceu no seu governo. Nós estamos vendo hoje uma determinação do sistema dominante, daqueles que deram o golpe, com forte apoio no Poder Judiciário e no Ministério Público, para afastar o presidente Lula, impedindo sua candidatura e, com isso, comprometendo o processo democrático no Brasil.
Super Notícia / Delma Lopes – Diante do processo a que ele está respondendo na Justiça, o que é que ele está liberado pra fazer do ponto de vista de campanha eleitoral? Como é que o partido está se organizando pra fazer a campanha? O que é que a Justiça permite que ele faça?
Patrus – Eu não vou falar pela Justiça, mas o que eu sinto é que é um processo altamente questionável em todos os aspectos. Por exemplo, a sentença que lhe foi imposta pelo Tribunal Regional Federal de Porto Alegre é uma coisa que a gente questiona de imediato. Porque estabeleceram um mês – 12 anos e um mês – exatamente para evitar a prescrição. As sentenças dos três desembargadores foram iguaizinhas, num caso delicado como esse. Então, há de fato um questionamento: não há uma decisão política? Vamos reconhecer que nós todos somos políticos, temos nossas convicções, as nossas ideias, os nossos valores. E os integrantes do Poder Judiciário e do Ministério Público não são imunes a essas influências. Penso que neste momento está prevalecendo em certos setores, no Brasil, uma visão extremamente conservadora, no sentido de negar as conquistas sociais que tivemos. Nós vivemos hoje no país um capitalismo selvagem – a tradução do neoliberalismo. Os fatos mostram que o golpe que deram, sem nenhuma fundamentação jurídica, afastando a presidente Dilma sobre quem não pesa nenhuma acusação formal, foi uma ação acertada em função dos interesses do grande capital.
Captura de Tela 2018-02-09 às 18.47.57
Super Notícia / Delma Lopes – Mas como é que o partido vai fazer pra colocar o nome de Lula na rua?
Patrus – Lula vai começar no fim do mês uma caravana no sul do Brasil, como já fez no Nordeste, aqui em Minas Gerais e no Rio de Janeiro. E já estão acertadas outras caravanas, ou seja, Lula está exercendo a sua cidadania, os seus direitos políticos. A campanha de Lula é uma campanha muito fácil, porque ele é a maior liderança do país. Quanto mais tentam condená-lo, quanto mais inventam coisas contra ele, mais ele cresce na opinião pública. Ele lidera todas as pesquisas, com apoio de mais de 40% da população – e esse apoio está crescendo. Pensando no futuro do Brasil, a quem interessa desqualificar uma liderança como a do presidente Lula? É uma liderança que demora séculos para aparecer ou para construir; uma liderança que vem das camadas mais humildes do povo; que representa o povo. Lula tem uma carreira política construída passo a passo, vinculada inclusive à construção de um partido político. A quem interessa desqualificar uma liderança como essa sem nenhuma fundamentação jurídica, com base na teoria do domínio do fato. Há poucos dias acabei de ler um livro de um dos maiores cientistas políticos do país, o professor Wanderley Guilherme dos Santos – “A democracia impedida – O Brasil do século XXI”. Ele aponta que o início do golpe na democracia ocorreu com o processo do chamado “mensalão”, quando adotaram a teoria do domínio do fato para condenar José Dirceu e outras pessoas. É a teoria que dispensa provas. Presume-se que a pessoa saiba, pelo cargo que ocupa, e dispensa-se qualquer outra prova para condenar. Ou então se baseia em delatores. Ora, o instituto da delação premiado está descaracterizado. Uma pessoa condenada a 30 anos faz a delação e é solta…Então ela chega diante do juiz e pergunta: “O que é que o senhor quer saber? O que o senhor quer que eu fale? E fala.” Esse é o processo. E está acompanhado de outro: o processo de desmonte de todas as conquistas de direitos sociais que nós tivemos no Brasil. Está em vigor, por exemplo, a emenda constitucional que, na prática, impede investimentos públicos por 20 anos; congela o país por 20 anos. O metrô de Belo Horizonte pode parar em junho por conta dessa emenda. Quem vê o orçamento do Brasil para 2018 leva um susto: praticamente desapareceram os recursos para programas de proteção, apoio, assistência aos mais pobres.
Super Notícia / Rodrigo Freitas – O senhor concorda com a lei da ficha limpa e concorda com o conceito de que o cidadão fique inelegível caso seja condenado em segunda instância?
Patrus – Neste momento eu tenho minhas ressalvas. Se estivéssemos num país em que prevalecesse o Estado Democrático de Direito, com um Poder Judiciário efetivamente independente, julgando com serenidade sem atropelar processos – o ritmo do processo contra Lula é um escândalo, porque colocaram na frente de centenas de outros cumprindo a determinação, o objetivo de condenar o presidente Lula. Então, na minha avaliação – que encontra ressonância em inúmeros juristas e cientistas políticos do Brasil e do exterior – nós não estamos vivendo no Estado Democrático de Direito. Nós tivemos um golpe. Diferentemente de 1964, não tivemos ainda os tanques das ruas. Foi um golpe dado com outras características, como o apoio definitivo dos meios de comunicação. A presidente Dilma foi afastada sem nenhuma fundamentação jurídica. E de lá pra cá os golpistas tomaram uma série de outras medidas, sempre configurando um estado de exceção, não no sentido tradicional, mas um estado de exceção plenamente configurado. Então, nesse contexto, vejo com muita cautela qualquer medida que vise restringir direitos e garantias individuais.
Super Notícia / Delma Lopes – O assunto em destaque no Congresso é a proposta de reforma da Previdência. Como o senhor está acompanhando essas discussões, agora que o governo disse que pode fazer algumas mudanças na tentativa de conseguir votos pra aprovar a reforma? O senhor realmente vê esse esforço de tentar ouvir as partes que vão ser atingidas por essa reforma?
Patrus – Delma, eu vejo o governo tentando seduzir os parlamentares com emendas, com recursos, com ameaças. E está procurando atingir os parlamentares também através dos governos estaduais, com ameaças de cortar recursos, de não liberar recursos, de não liberar verbas de emendas. Infelizmente não vejo um grande debate com a sociedade brasileira sobre a reforma da Previdência. Eu estou convencido de que devemos fazer alguns acertos na Previdência. Mas, então, vamos fazer um debate aberto com a sociedade, com os movimentos sociais, com as universidades, com as igrejas, com as organizações sindicais, com as representações de trabalhadores e também de empresários.
Super Notícia / Rodrigo Freitas – O PT errou durante os governo Lula e Dilma ao não fazer uma reforma de Previdência?
Patrus – Eu penso que poderíamos ter avançado, sim. Penso que fizemos grandes avanços, como já mencionei, mas poderíamos também ter mexido em algumas áreas. Nós sabemos que a questão da Previdência é delicada. Mas é fundamental que se faça mudanças ouvindo a sociedade. O que estou vendo é que a reforma da Previdência está rigorosamente inserida nas outras – na emenda que congela os investimentos, na “reforma trabalhista” que é o começo do fim do Direito do Trabalho no Brasil…A chamada reforma da Previdência vai nessa mesma linha. Nós estamos vendo um processo em que o governo, a cada dia, abre mais espaço para o setor privado. A emenda que congela os investimentos públicos em educação e saúde abre espaço para a crescente privatização da educação e da saúde; a reforma da Previdência é para abrir espaço para que empresas e pessoas ganhem dinheiro com previdência privada. Porque estão propondo, em resumo, o início do fim da previdência pública no Brasil. A reforma que eles propõem é absolutamente perversa com os pobres, com as classes trabalhadoras, e não atinge quem ganha mais, inclusive no Poder Judiciário, no Ministério Público e em outros setores.

Patrus no curso de educadores populares em Caratinga

O deputado Patrus Ananias está em Caratinga/MG, entre educadores populares que participarão da 3° edição do curso de férias. Na noite de ontem, o evento teve apresentações culturais relembrando o protagonismo de africanos e indígenas na luta por direitos e igualdade social. Entre as presenças, o Padre João, da Pastoral Social, Dom Paulo, da diocese de Uberaba, os padres Roberto e Matias, as Irmãs missionárias de N. Sra das Graças, pastorais e sindicatos. O evento terminou com o lançamento do CD Vozes da Mata, do cantor Farinhada.

 

26231719_1667370069994128_971460838564341177_n 26804500_1667370139994121_4877847451000524810_n

Patrus: PARABÉNS BH PELOS 120!

Patrus Ananias, cidadão de Belo Horizonte há mais de 45 anos, dá seus parabéns à capital mineira e lista, com orgulho, vários dos grandes nomes da história brasileira que tiveram sua formação em BH.

E neste aniversário de 120 anos, Patrus também relembra como sua gestão foi um marco na capital: com a implantação do Orçamento Participativo, com a Lei Orgânica da Assisência Social, com políticas inovadoras na área da Segurança Alimentar e Nutricional, criando programas inovadores na educação, na saúde e na cultura: o Festival Internacional de Teatro (FID), o Festival da Arte Negra (FAN), o Festival Internacional de Poesia e os Centros de Cultura.

Uma gestão comprometida sempre com os mais pobres, com aqueles que sempre foram menos favorecidos. Que naquele tempo, e ainda hoje, acredita em uma BH, Capital da Paz. De todos os mineiros, de portas abertas para todo o Brasil e ajudando a criar os rumos de um Brasil melhor.

BH, 120 anos: Patrus Ananias investe na saúde!

O ex-prefeito de Belo Horizonte, Patrus Ananias, destinou mais de R$3 milhões para a saúde da cidade. Com os recursos será implantado o Laboratório Único de Análises Clínicas; recursos contemplam unidades de urgência e o centro de saúde mental noroeste.

Cerca de R$3,2 milhões em emendas parlamentares foram destinadas pelo deputado federal Patrus Ananias para a área da saúde da cidade de Belo Horizonte. O anúncio, feito hoje, quando BH completa 120 anos, representa um diferencial para os serviços prestados pela Prefeitura através do Sistema Único de Saúde (SUS), incorporando mais serviços ao sistema, ao mesmo tempo em que ajudará a melhorar o atendimento à população.

Como proposição destacada, o parlamentar, que foi prefeito da capital mineira em 1992, destinou R$1 milhão para a implantação do primeiro Laboratório Único de Análises Clínicas da cidade. O parlamentar também requisitou recursos da ordem de R$1,6 milhão para a manutenção de cada uma das oito Unidades de Pronto Atendimento (UPA), destinando a cada unidade de urgência R$200 mil.

Para a regional Noroeste, que não possui unidade de pronto atendimento, Patrus indicou recursos da ordem de R$250 mil, para serem utilizados na manutenção no Centro de Referência de Saúde Mental.

Outras instituições, entre hospitais, creches e cooperativas de reciclagem, também receberão recursos do deputado Patrus Ananias, com mais investimentos totais de R$3 milhões.

NOTA PÚBLICA: A DEMOCRACIA FOI ATACADA NA UFMG

A democracia brasileira foi atacada nesta manhã na UFMG. Acompanho com muita perplexidade e incredulidade o violento ataque perpetrado a democracia brasileira nesta manhã quando o aparato repressivo do Estado levou coercitivamente professores, pessoas sérias, éticas e honradas, comprometidas com a produção do conhecimento, da pesquisa e da extensão em Minas e no Brasil. A quê se destina esse tipo de prática senão para constranger, humilhar?

Entendemos que estamos vivendo no Brasil uma escalada do autoritarismo, do desrespeito aos direitos humanos e individuais. Há neste momento uma quebra dos valores e das bases do Estado Democrático de direito. Faço essa denúncia neste momento da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados em Brasília. Minha total solidariedade aos professores, alunos, técnicos administrativos desta grande Universidade Federal de Minas Gerais. Tenham em mim e em nosso mandato instrumentos de defesa e denúncia sempre. Forte e afetuoso abraço.

Patrus Ananias

Deputado Patrus no projeto “Pensando o Brasil” da FUMEC

Deputado Patrus no projeto “Pensando o Brasil”, da Fumec: ” Esse é o ponto que sempre me aparece na consciência. Como podemos fazer juntos do Brasil a pátria que nós queremos, sonhamos e merecemos?

Todos somos políticos, no bom sentido da palavra. Todos somos políticos porque vivemos em sociedade, precisamos aprender a fazer juntos a vida e o bem comum.

23213275_1602693286461807_942687965879428657_o

O que nós temos de bom é conquista do nosso povo, muitas conquistas do nosso povo pobre, mesmo com todas as adversidades na nossa história. A violência contra os indígenas, a escravidão, o preconceito, são cicatrizes na nossa formação. Não podemos esquecer, nem negar.”

23231565_1602693229795146_7130173730079865896_n

MUDE O FUTURO DA MIGRAÇÃO: SEGURANÇA ALIMENTAR, DESENVOLVIMENTO RURAL

O deputado Patrus Ananias participou, na tarde desta segunda, 16/10, do Seminário Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional na Prefeitura de Belo Horizonte.

Ele participou do painel “Mude o futuro da migração: investir na segurança alimentar e no desenvolvimento rural”, com a participação de Crispim Moreira, representante da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO). Completando a mesa, a professora da UFMG Eliane Novato e a Secretária Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional, Darklane Rodrigues Dias.

22540221_1583305891733880_2859684862380281043_n 22529018_1583305835067219_1387913257652194159_o

Saúde em Bh: Encontro com o prefeito Alexandre Kalil

Hoje pela manhã o coordenador do escritório político do deputado Patrus Ananias, Marcos Helenio Pena, representou o deputado no café parlamentar oferecido pelo Prefeito Alexandre Kalil à bancada de Deputados Federais, com a presença do governador Fernando Pimentel.

A situação da área de Saúde da capital foi apresentada aos deputados pelo Secretário de Saúde junto de um portfólio de demandas na área para 2018.IMG-20171002-WA0036 IMG-20171002-WA0035