Patrus defende comunidades ribeirinhas contra a especulação imobiliária

Na corrida desenfreada para a privatização do patrimônio público, comandada por Arthur Lira, presidente da Câmara, a Casa aprovou ontem à noite (22.02) a Proposta de Emenda Constitucional 39, por 377 votos a 93.

Esse resultado assustador demonstra o empenho em privatizar terrenos de propriedade da União (Marinha) neste caso, localizadas na orla do litoral do país ou nas bordas de rios afetados pela maré, áreas favorecendo a especulação imobiliária, os grandes projetos turísticos, hotéis e resorts. Hoje, há 500 mil terrenos nessas condições, dos quais mais de 250 mil ocupados.

No plenário da Câmara, o deputado Patrus Ananias defendeu o destaque da Bancada do Partido dos Trabalhadores que pretendia preservar, dessa força impositiva do mercado, as terras historicamente pertencentes às comunidades ribeirinhas, pequenos empreendedores e comunidades. “O nosso objetivo com essa emenda é preservar as comunidades tradicionais da avalanche do mercado, que tudo quer e, no limite também, tudo pode. Em nome da vida, do bem comum, da justiça social, se trata da preservação no sentido familiar e no sentido comunitário, impedindo que essas propriedades sejam transacionadas, apoderadas pelo mercado”.

 

 

Posts relacionados