Fiocruz recebe mais de R$ 2 mi em emendas para ações intersetoriais

O encontro ontem (18.03) com pesquisadores, coordenadores e parceiros da Fundação Osvaldo Cruz encheu meu coração de alegria. Recursos de emendas parlamentares de nosso mandato estão sendo aplicados em um conjunto de projetos na saúde pública, de forma articulada com a assistência social, agricultura familiar, segurança alimentar e defesa da vida.

 

Fui carinhosamente recebido pelo diretor da Fiocruz em Minas Gerais, Dr. Roberto Rocha, e sua competente equipe de pesquisadores e especialistas, que me apresentaram ações desenvolvidas e resultados estimulantes e instigantes já obtidos.

Agrupados em duas áreas – Saúde Coletiva e Extensão, Comunicação e Divulgação em Saúde –, os projetos trabalham a questão socioambiental, como é caso do Observatório da Mineração, que prevê a sistematização e o compartilhamento do conhecimento científico adquirido a partir dos crimes ambientais de Mariana e Brumadinho; fortalecimento do associativismo, da reciclagem e valorização dos catadores, proposta do projeto ACAMARES, a Associação de Catadores de Materiais Recicláveis de Sarzedo, não por acaso um dos 38 municípios do colar metropolitano de BH do Observatório. Um bom exemplo de integração das políticas públicas.

Os diversos projetos e programas também trabalham, dentre outros temas, o debate sobre a qualidade do acolhimento dos serviços de saúde da população soropositiva (Reconectando Vidas); a viabilização e consolidação da agricultura urbana a partir de práticas agroecológicas (AUÊ) em 34 municípios da RMBH; e o estudo da desigualdade social na internação e óbitos provocados pela Covid 19.

Ao todo, são 14 projetos que se desdobram na saúde coletiva, na vigilância em saúde, melhoria dos serviços em saúde, revitalização ambiental, levantamento e formação de bases de dados da pandemia e também mobilização e organização social. Sempre dedicados à população mais vulnerável socialmente e ambientalmente: moradores de periferia, atingidos por barragens, catadores de materiais recicláveis, pequenos agricultores, profissionais do sexo e LGBT.

São investimentos que equivalem a R$ 2 milhões e 320 mil (2020 a 2021) somados a emenda parlamentar indicada este ano no valor de R$ 1 milhão e 71 mil, que vão gerar conhecimento e contribuir para a construção de uma sociedade mais justa, equilibrada, com cidades e territórios mais saudáveis.

Posts relacionados