Deputado Patrus Ananias aponta os três pilares da soberania nacional

“Nós somos realmente um país independente do ponto de vista econômico, das relações internacionais, das relações com os Estados Unidos?”, questionou deputado Patrus Ananias (PT-MG), hoje (24.03), durante o Seminário Resistência, Travessia e Esperança – Defesa da Soberania Nacional. O deputado lembrou a celebração este ano do bicentenário da Independência do Brasil e do centenário da Semana de Arte Moderna de 1922, movimento que considera “ter aberto as portas para a nossa independência cultural”.

O Seminário é organizado pelas bancadas do PT na Câmara e no Senado, Partido dos Trabalhadores, Instituto Lula e Fundação Perseu Abramo e coordenado pelos deputados Patrus Ananias (PT-MG) e Carlos Zarattini (PT-SP).

Secretário-geral da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Soberania nacional, Patrus Ananias destacou que “estamos vendo a subalternização do nosso país, na medida em que estamos tendo que retomar a ideia da nossa soberania como projeto nacional”.  Ele enfatizou a afirmação da soberania do Brasil nos governos Lula e Dilma. “Hoje houve um retrocesso lamentável. Está havendo retrocessos em todas as outras frentes, a privatização das empresas pública, o desmonte das políticas públicas, e tudo isso tem a ver com a soberania nacional”.

A afirmação da soberania nacional, na perspectiva de um projeto nacional para atender as gerações presentes e as futuras, foi outro ponto destacado por Patrus Ananias, além da defesa da democracia e dos direitos fundamentais dos cidadãos.

Ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome e do Desenvolvimento Agrário, nos governos Lula e Dilma, o deputado destacou os três pilares da soberania do país: a soberania alimentar, energética e a defesa nacional.

A segurança alimentar foi enfatizada pelo deputado como compromisso com a vida e o bem comum, pressupondo alimentação saudável. “Nos nossos governos, lula, Dilma, nós retiramos o Brasil do Mapa da Fome. Infelizmente voltamos pelos descuidos de um desgoverno que não tem nenhum compromisso com a soberania nacional como projeto nacional e com a vida do nosso povo”. “Destaco as três refeições diárias que fala com consistência o nosso grande e querido presidente Lula, a nossa liderança maior e a nossa esperança de que volte a bem governar o nosso país, para retomarmos o caminho da esperança”, completou. 

A soberania alimentar foi lembrada pelo deputado como uma questão estratégica de assegurar reservas de alimentos para enfrentar situações emergenciais climáticas e de guerras, como está ocorrendo na Rússia e na Ucrânia.

Sobre o segundo pilar da soberania, a soberania energética, Patrus Ananias destacou a privatização da Eletrobras como grande ameaça à segurança do país e ao bem-estar da população, por significar “a privatização das nossas águas”.

“Pensar um projeto de Nação, a soberania, a vida das pessoas, a justiça social, é tarefa do Estado, do Estado Democrático de Direito que organiza o país em função dos desafios presentes e futuros e em sintonia com a sociedade”, apontou o deputado.

Sobre o terceiro pilar da soberania, a defesa nacional, Patrus Ananias destacou que a importância da reflexão, do debate sobre o papel das Forças Armadas “comprometidas com o nosso país, com o nosso projeto de nação, e em sintonia afetiva com o povo brasileiro”.

Patrus Ananias chamou a atenção sobre as consequências da tragédia da guerra no Leste Europeu e comprometimento do processo de globalização que pode indicar a volta do estado nacional. “O país que não cuidar de si, das suas riquezas e direcioná-las corretamente, não cuidar do seu povo através de rigorosas políticas públicas, colocando os três pilares que mencionamos, pode ficar totalmente a margem do processo histórico”, concluiu.

Participaram do dabate: senador Jaques Wagner – Presidente da Comissão de Meio Ambiente do Senado; embaixador Samuel Pinheiro Guimarães Neto; Renato Maluf – ex presidente do Consea; Fabíola Latino Antezana – membro do Coletivo Nacional dos Eletricitários (CNE);

 

 

Deyvid Souza Bacelar da Silva – coordenador-geral da Federação Única dos Petroleiros; Ana Penido – pesquisadora do Instituto Tricontinental de Pesquisa Social e do Grupo de Estudos em Defesa e Segurança Internacional GDES/Unesp.

Posts relacionados