“O nosso voto é não! Não passarão!”

O SR. PATRUS ANANIAS (PT-MG.) – Colegas Deputadas e Deputados, na minha já sexagenária caminhada de militante político e social cristão, jamais vi e ouvi tantas afrontas ao segundo, ao quarto e ao sétimo mandamentos da lei de Deus. Quero dizer também, colegas Deputadas e Deputados, que reassumi aqui nesta Casa o mandato que o povo de Minas me confiou nas urnas, para lutar contra três golpes que as forças mais conservadoras querem impor ao País. Estamos aqui para impedir um golpe, para lutar contra um golpe contra a Presidenta Dilma. Estamos aqui para lutar contra um golpe contra a democracia brasileira.(Manifestação no plenário.)

O SR. PRESIDENTE (Eduardo Cunha) – Como vota, Deputado?

O SR. PATRUS ANANIAS - Por último, eu quero denunciar que a população brasileira vai ser testemunha disso: oo golpe contra as políticas sociais.

O SR. PRESIDENTE (Eduardo Cunha) – Como vota, Deputado?

O SR. PATRUS ANANIAS - O golpe contra o Bolsa Família.

O SR. PRESIDENTE (Eduardo Cunha) – Como vota, Deputado?

O SR. PATRUS ANANIAS - O golpe contra o Minha Casa, Minha Vida.

O SR. PRESIDENTE (Eduardo Cunha) – Como vota, Deputado?

O SR. PATRUS ANANIAS - O golpe contra os pobres.

O SR. PRESIDENTE (Eduardo Cunha) – Como vota, Deputado?

O SR. PATRUS ANANIAS - Portanto, o nosso voto é “não”. Não, não passarão, não passarão. (Manifestação do plenário.)

O SR. FELIPE BORNIER - Deputado Patrus Ananias, do PT de Minas Gerais: voto “não”. Total: 100 votos contrários.

Dona Maroquinhas, primeira mestra

Recebi com atraso a notícia do falecimento de Dona Maroquinhas – Maria do Carmo de Assis Pires. Foi minha professora no primeiro ano primário, em 1959, no Grupo Escolar Coronel Fulgêncio, de Bocaiúva (MG). Continuar lendo

O PT na encruzilhada

Publicado em 8 de maio de 2015: http://www.pt.org.br/patrus-ananias-o-pt-na-encruzilhada/

O Partido dos Trabalhadores vive a maior crise de sua história. Sabemos que a palavra crise comporta diferentes significados e desdobramentos. Pode anunciar o fim como pode abrir novas possibilidades. O primeiro passo para que a crise se torne um processo de gestação e crescimento é não perder a memória e confrontar a realidade presente.

Continuar lendo

Nelson Mandela

Um dos livros mais bonitos que li, no campo da memorialística, foi a autobiografia de Nelson Mandela intitulada “Um Longo Caminho para a Liberdade”. Entre as muitas passagens que me impressionaram no livro, tocou-me particularmente o dramático julgamento a que foi submetido. O juiz, no momento da decisão, tinha duas opções: pena de morte ou prisão perpétua. Ao escolher a segunda ele certamente não sabia o tamanho e a importância da vida que estava preservando. Vinte e sete anos depois Mandela saía da prisão para extinguir o “apartheid” e pacificar o seu país. Não carregava nenhum ódio, nenhuma mágoa, nenhum ressentimento, mas também nunca se curvou, nunca traiu a sua causa e os seus compromissos. Em momento algum perdeu a sua dignidade. Exemplo magnífico!

mandela

Garrincha e a seleção de 1962

Publicado originalmente no jornal Hoje em Dia, em 24/06/2012

Patrus Ananias

O Brasil recordou há poucos dias os 50 anos da conquista do bicampeonato mundial de futebol no Chile. Aos dez anos de idade, acompanhei atentamente aquela copa pela Rádio Nacional do Rio de Janeiro, na narração vibrante de Jorge Cury e nos comentários técnicos e precisos de João Saldanha.

Lembro-me da convocação dos jogadores. O time titular foi basicamente o de 1958. Como muitos brasileiros, devo muito a essas seleções, especialmente Pelé e Garrincha. Eu tinha certeza de que um time com esses dois jogadores e outros nove bons era imbatível. Anos depois, lendo a biografia de Garrincha, A Estrela Solitária, escrita por Ruy Castro, a minha intuição se confirmou. Continuar lendo

O Blog, a que vem

Este blog foi pensado para ser espaço de diálogo. O que nos pauta e nos unifica nessa prosa é a política, compreendida na acepção mais alargada da palavra. E, nos desdobramentos, cabem prosas poéticas, assuntos diversos, aqueles que constituem o desafio da nossa condição humana. Acredito na política, em seu sentido mais amplo, e  venho trabalhando na perspectiva de fazê-la um espaço de disputa de ideias, de concepções de mundo e construção de consensos e possibilidades compartilhadas. Esse espaço passa pelas disputas eleitorais, mas vai além. A política está no dia da gente.

Portanto, é um blog aberto a colaborações. Sugestões de leituras, divulgação de pontos de vista, opiniões. Sejam bem vindas e bem vindos!