Palestra na FACIG em Manhuaçu

Em palestra na última sexta para um caloroso e lotado auditório na FACIG em Manhuaçu, o deputado Patrus falou sobre a relevância da intersetorialidade das políticas públicas para que exista um desenvolvimento nacional efetivo – é preciso que os programas sociais se comuniquem e estejam interligados, que junto da educação de qualidade os mais jovens também tenham alimentação de qualidade e a certeza de vínculos seguros em casa durante seu período de formação.

 

Começam os trabalhos da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Soberania Nacional

Iniciamos nessa tarde, com grande sucesso, os trabalhos da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Soberania Nacional!

Soberania como defesa dos interesses do Brasil na política internacional e como parte do papel do Brasil atuando junto aos países em desenvolvimento. Soberania para defender os programas sociais e explorar de modo responsável os recursos naturais para essas e para as próximas gerações.

Soberania para investir na agricultura familiar, contra o veneno; na educação junto de políticas que permitam condições dignas de vida para os mais jovens; soberania para tomar decisões que olhem para as necessidades dos brasileiros e não do capital selvagem que vem de fora apenas para lucrar. Soberania de trabalhadoras e trabalhadores, de agricultoras e agricultores, de estudantes e da juventude de todos os cantos do nosso país.

IMG-20170621-WA0041 IMG-20170621-WA0068 IMG-20170621-WA0085 IMG-20170621-WA0072 IMG-20170621-WA0070

 

 

O Lançamento da Frente Parlamentar em Defesa da Soberania na imprensa

Brasil 247 – “Liderada pelos parlamentares Roberto Requião (PMDB-PR) e Patrus Ananias (PT-MG), a Frente Parlamentar pela Soberania Brasileira quer se contrapor às medidas tomadas pelo atual governo sobre a gestão dos recursos naturais e sobre a linha adotada pela política externa; de acordo com o documento assinado por mais de 200 deputados e 18 senadores, tais medidas são “atentatórias à soberania do Brasil”. O ato de lançamento dessa campanha acontecerá no dia 21 de junho”

Matéria completa em https://www.brasil247.com/pt/247/brasil/301955/Parlamentares-criam-frente-pela-soberania-brasileira.htm

Jornal GGN - Na próxima quarta-feira (21), mais de 200 deputados e 18 senadores irão lançar a Frente Parlamentar Mista em Defesa da Soberania Nacional. O objetivo da frente é unir os parlamentares contra medidas adotadas pelo governo de Michel Temer e que são consideradas um atentado à soberania do Brasil.

Entre as medidas criticadas, estão o desmonte da Petrobras, o esvaziamento da indústria nacional, a permissão da venda de terras para estrangeiros, a internacionalização de serviços públicos como saúde e educação e a abertura do Brasil ao oligopólio internacional de insumos agrícolas, além da adoção de uma política externa classificada como submissa.

Em sua comissão executiva, a Frente Parlamentar conta com os senadores Roberto Requião (PMDB-PR) e Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) e os deputados Patrus Ananias (PT-MG),  Glauber Braga (Psol-RJ), Celso Pansera (PMDB-RJ), Afonso Motta (PDT-RS) e Odorico Monteiro (PSB-CE).

Matéria completa em http://jornalggn.com.br/tag/blogs/frente-parlamentar-em-defesa-da-soberania-nacional

VIOMUNDO – “Com  o apoio de 200 deputados federais e 18 senadores e a presença dos ex-ministros Luiz Carlos Bresser-Pereira e Celso Amorim, será instalada nesta quarta-feira (21/06) a Frente Parlamentar Mista em Defesa da Soberania Nacional.

Proposta pelo deputado federal Patrus Ananias (PT-MG), é uma resposta às medidas atentatórias à soberania nacional que vêm sendo tomadas pelo governo do usurpador Michel Temer e seus aliados.

“Toda vez que temos uma crise, querem vender o Brasil ao capital internacional. Estão fazendo isso outra vez”, denuncia Patrus.

“Queremos que os brasileiros saibam e debatam o entreguismo a que o governo, seus patrocinadores e seus aliados estão submetendo o país, argumenta.”

Matéria completa em http://www.viomundo.com.br/voce-escreve/nesta-quarta-a-largada-da-frente-em-defesa-da-soberania-nacional-os-brasileiros-precisam-saber-do-entreguismo-do-governo-diz-patrus.html

Frente proposta por Patrus defenderá a soberania do Brasil contra o entreguismo

Proposta pelo deputado federal Patrus Ananias (PT-MG) e apoiada por mais de 200 deputados e 18 senadores, será instalada na próxima quarta-feira, dia 21, a Frente Parlamentar Mista em Defesa da Soberania Nacional, em meio à adoção de algumas medidas e ao anúncio de uma série de outras, pelo governo e por seus patrocinadores e aliados, consideradas por segmentos do Congresso e da sociedade como atentatórias à soberania do Brasil.

É o caso dos desmontes da Petrobras, da infraestrutura, da pesquisa e da tecnologia; do crescente esvaziamento da indústria nacional; da liberação da venda de terras para estrangeiros; da internacionalização dos serviços públicos essenciais, como saúde e educação; da abertura do país ao oligopólio internacional de sementes e insumos agrícolas; e do retorno do governo brasileiro uma política externa submissa.

O manifesto de criação da Frente, que terá o senador Roberto Requião (PMDB-PR) na presidência e o deputado Patrus Ananias na secretaria-geral, anuncia que suas ações defenderão:

- a exploração eficiente dos recursos minerais, entre eles o petróleo, e a construção de infraestrutura para promoção do desenvolvimento do país;
- a contribuição da agricultura para a alimentação do povo e para as exportações;
- o capital produtivo nacional e um sistema de crédito que o favoreça;
- o emprego e o salário do trabalhador;
- um sistema tributário mais justo;
- a capacitação das forças armadas para a defesa da soberania;
- e uma política externa independente.

A comissão executiva da Frente reúne, além de Requião e Patrus, o deputado Glauber Braga (Psol-RJ), secretário de eventos e mobilização; a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) e os deputados Celso Pansera (PMDB-RJ), Afonso Motta (PDT-RS) e Odorico Mon teiro (PSB-CE), vice-presidentes.

O ato de lançamento, na tarde de 21 de junho, terá a participação dos ex-ministros Luiz Carlos Bresser-Pereira e Celso Amorim, dois dos signatários originais do Projeto Brasil Nação, que contém cinco propostas econômicas, foi lançado por intelectuais no fim de abril e chegou à metade de junho subscrito na internet por mais de 10 mil pessoas.

Lançamento frente vd am

O Orçamento Participativo é um instrumento de ampliação da democracia e de combate à corrupção

O ORÇAMENTO PARTICIPATIVO (OP), implantado por Patrus Ananias na década de 90, quando era prefeito de Belo Horizonte, tornou-se referência mundial como instrumento de participação popular e promover o fortalecimento do processo democrático. Em suas palestras o deputado Patrus Ananias tem revelado uma característica importante do OP enquanto instrumento anticorrupção, pois exige que a comunidade acompanhe as ações implementadas.

“As pessoas acompanham a execução das obras e a implementação das políticas públicas. As pessoas acompanham os prazos e os procedimentos. E isso acaba sendo bom também para combater a lentidão da burocracia”

Patrus é considerado o prefeito que mais trouxe avanços sociais para a capital mineira, sobretudo com a implantação do Orçamento Participativo e as pioneiras políticas de combate à fome e à desnutrição, entre elas o Restaurante Popular.

No lançamento do Plano Popular de Emergência em Brasília

Na terça-feira, o deputado Patrus compôs a mesa do ato da Frente Brasil Popular por Diretas Já e lançamento do Plano Popular de Emergência, junto da presidente do PT, senadora Gleisi Hoffman, e do senador Lindbergh Farias.

18920181_1457708690960268_3763954575000771557_n 18920537_1457708784293592_1912984510329712025_n

Discurso de encerramento da CPI contra Incra e Funai

No discurso de encerramento da CPI contra Incra/Funai, deputado Patrus denuncia novamente: o objetivo desta comissão foi acabar com a demarcação de terras indígenas e quilombolas, esse pequeno reconhecimento aos nossos antepassados, e doar essas terras ao mercado!

Essa CPI foi perversa porque foi contra a agricultura familiar. Foi perversa porque favoreceu o que existe de mais atrasado no agronegócio brasileiro. Foi perversa porque em seu encerramento incentiva a violência no campo e que mais sangue de trabalhadores rurais e povos tradicionais seja derramado.