CPI do Crime da Vale em Brumadinho demanda documentos sobre informações omitidas pela Vale

A CPI do Rompimento da Barragem de Brumadinho quer esclarecer a RELAÇÃO ENTRE O ROMPIMENTO da barragem do Córrego do Feijão e a intenção da Vale de EXPANDIR A EXPLORAÇÃO de minério em Brumadinho (MG) e demais regiões de Minas ameaçadas por novas tragédias que poderiam ser evitadas, destacando a Barragem de Gongo Soco, em Barão de Cocais.

Neste sentido, a CPI requereu à Vale e à Agência Nacional de Mineração (ANM) cópia de estudos e processos de pesquisa minerária e requerimentos de lavra que tratam da ampliação das operações da Vale em Brumadinho e regiões impactadas pela lama proveniente do rompimento da barragem da Vale; em Barão de Cocais (MG), destacando Gongo Soco, Socorro, Palmital, Piteira e Tabuleiro; e na Serra do Gandarela, incluindo o Projeto Apolo.

Para os deputados da CPI, a análise desses documentos permitirá também verificar se a Vale está omitindo informações sobre o potencial de mineração das pequenas propriedades próximas às minas da Vale.

O requerimento registra notícias que, segundo a ANM, há potencial minerário em locais devastados pela tragédia e isso não foi informado aos donos dos terrenos e nem à Defensoria pública, que homologou acordos de indenização entre a Vale e os moradores de Brumadinho.

61754422_2349603775104084_4689233353763717120_n

Assinaram o requerimento os deputados Júlio Delgado (PSB-MG), Patrus Ananias (PT-MG), Padre João(PT-MG) e Rogério Correia (PT-MG).

Para apurar as responsabilidades pela tragédia criminosa de Brumadinho, que provocou a morte de centenas de pessoas, a CPI ouviu os funcionários da Vale, Joaquim Pedro Toledo, Gerente Executivo de Planejamento e Programação do Corredor Sudeste; César Augusto Grandchamp, geólogo; Artur Bastos Ribeiro, engenheiro técnico; e Renzo Albieri, Gerente de Geotenica.

Patrus Ananias recebe homenagem na UFMG

Recebi, com muita emoção, homenagem da reitora da UFMG, Sandra Goulart Almeida, pelo meu apoio à instituição. Sou ex-aluno da universidade, formado pela Faculdade de Direito, e muito me aquece o coração ter esse reconhecimento.

É uma alegria saber que a universidade conseguiu fechar suas contas em 2018, e um orgulho saber que minhas emendas parlamentares contribuíram para isso. Mas é pouco, porque nossa luta é muito maior que isso. Acredito que a educação é uma política pública especial: um direito das pessoas, mas também uma ingrediente fundamental para o desenvolvimento do país.

Patrus é homenageado pela UFMG por seu apoio à universidade

Recebi hoje, com muita emoção, homenagem da reitora da UFMG, Sandra Goulart Almeida, pelo apoio à instituição.

O reconhecimento foi estendido aos parlamentares da bancada mineira, que como eu destinaram recursos para a UFMG. Segundo a reitora, são esses recursos que permitiram fechar as contas em 2018. Para além das emendas, considero as universidades um espaço essencial para o desenvolvimento nacional. Todo meu apoio à Educação e à Pesquisa, públicas e de qualidade. 61932243_2346349922096136_6595161027355082752_n 61657911_2346349808762814_2119126354061426688_n 61720611_2346350208762774_3065146923104075776_n

#30MpelaEducação

Este é um convite às pessoas comprometidas com o Brasil e com as gerações futuras! Hoje é dia de ir às ruas para defendermos a escola pública! Hoje a aula é na rua!

Em BH o encontro é às 17h, na Praça Afonso Arinos.

#30MpelaEducação

Contra o corte – Patrus na Praça de Serviços da UFMG

Diante de um público universitário, reafirmei a força de nossa luta. A defesa da ciência, da cultura e do pensamento crítico é e sempre será o lado correto de uma disputa.
Esse é um orgulho ao qual temos direito: é a nossa luta que move o desenvolvimento do país! Não vamos desanimar porque essa é uma batalha que a ciência sempre vence: o retrocesso não tem chance contra a evolução.

Em Bocaiúva, mais uma viatura entregue pelo Mandato Patrus

Em minha terra natal, Bocaiuva, tive a alegria de entregar uma viatura policial para Polícia Militar, e saber do tenente-coronel Chinelato que os crimes violentos como roubo, assalto e homicídio, estão em queda na região. Em sua fala, o oficial reconheceu a importância da iniciativa no combate à interiorização do crime.

20190525_100312

Em maio, outras NOVE CIDADES foram beneficiadas com entrega de viaturas, são elas: Caratinga, Miradouro, Muriaé, Palma, Chapada do Norte, Januária, Teófilo Otoni, Varginha e Capitólio. Para mim, foi mais uma oportunidade para reafirmar meu compromisso na viabilização de recursos e apoio à segurança pública.

20190525_100124

Em Januária, debatendo educação com estudantes e professores

Promover o diálogo e conhecer com mais profundidade as realidades locais. Com este intuito estive em Januária, Norte de Minas, onde debati com estudantes e professores, trabalhadoras e trabalhadores, a Reforma da Previdência e os cortes na Educação.

Fica cada vez mais claro que o Brasil precisa de pessoas interessadas no bem comum.
A atual conjuntura nos coloca grandes desafios, mas este momento não vai durar para sempre e, desde já, temos que pensar sobre o projeto educacional que queremos.

IMG-20190525-WA0486 IMG-20190525-WA0487

EDUCAÇÃO É INVESTIMENTO e exige INTEGRAÇÃO com outras políticas públicas. Educação não pode se subordinar aos interesses do capital, é um direito individual e um valor coletivo e de construção da soberania nacional.

Patrus realiza palestra sobre educação pública na Unimontes

“Teremos escolas melhores à medida que nos tornamos cidadãos com consciência crítica”, afirmou o deputado Patrus Ananias na abertura da palestra “A Conjuntura Atual da Educação Pública no Brasil e seus desafios”, proferida na sexta-feira (24.05), na Unimontes, em Montes Claros.   O deputado explicou por que o atual governo federal quer manter as desigualdades, ou pior, aprofundá-las e impedir a juventude de pensar. Ele foi ouvido atentamente por cerca de 200 estudantes e professores, em sua maioria de Ciências Humanas. A palestra, seguida de debate, contou com a presença da deputada estadual Leninha.

20190524_201321 20190524_210825

CPI de Brumadinho: o poder econômico e o silêncio

Muito curioso como as coisas acontecem. Esta semana, alertei engenheiros ouvidos na CPI que seu comportamento isentando a Vale de responsabilidade traz para eles próprios a culpa da tragédia, como autores dos laudos que se provaram falhos e irresponsáveis.

Pois na última sessão, os engenheiros da TUV SUD, empresa alemã que atestou a segurança da barragem, chegaram com habeas corpus para a CPI. Permaneceram em silêncio diante das perguntas que investigam a responsabilidade pela tragédia criminosa que matou quase trezentas pessoas.

A cada dia minhas dúvidas vão se tornando certeza. Estamos tratando com uma empresa poderosa, que compra o silêncio e a omissão de pessoas. Mas isso não vai nos desanimar! Iremos até as últimas consequências em nome da justiça e da reparação pelo crime cometido pela Vale.

CPI de Brumadinho – sobre negligência e omissões

Segunda parte da minha participação na última sessão da CPI de Brumadinho. Mais uma vez, volto da CPI impressionado com o quanto as respostas dos representantes da Vale acabam reforçando minhas suspeitas.

Primeiro, chama a atenção a ausência de resposta sobre não instalar as sirenes do plano de emergência. Uma vez que exista um plano, entendo que exista um risco e uma precaução a ser tomada – mas que não foi. Segundo, nova ausência de resposta sobre o reflexo financeiro de acionar o plano e interromper os trabalhos da mina. Terceiro, e mais grave: respondendo sob orientação dos advogados da Vale, os engenheiros parecem não perceber que estão assumindo a culpa pelo acidente. Não percebem também o erro que é mentir para encobrir a empresa quando já existem indícios e mais indícios de que a Vale sabia dos riscos de rompimento.